CANTOS   DE   COMUNHÃO

117.   FOI AO PARTIR O PÃO

O Cristo nosso irmão, ressuscitado depois de morrer. Ao partir com amor o pão, se deu a conhecer. Foi ao partir o pão irmãos, foi ao partir o pão. Foi ao partir o pão, que Jesus se deu a conhecer.

Nunca estás ausente Senhor, mas custoso Te é reconhecer; Tu, Te aproximas de nós no irmão, dá-nos a fé pra Te ver!

 Nunca estás ausente Senhor, sobretudo em nossa aflição; É preciso sofrer e se compadecer, é mister pra cumprir a missão.

Nunca estás ausente Senhor, quando estamos em reunião; Pra ver, julgar e agir como Tu, dá-nos a Tua visão.

Presente estás na ausência Senhor, vivemos em Tua mão; Aumenta em nós confiança em Ti, esperança de ressurreição.

Nunca estás ausente Senhor, mas como Te reconhecer? Se Tu abrires os olhos da fé, então poderemos Te ver!

 118.   EIS QUE SOU O PÃO DA VIDA

 Todo aquele que comer do meu corpo que é doado,
Todo aquele que beber do meu sangue derramado.
E crê nas minhas palavras que são plenas de vida
Nunca mais sentirá fome e nem sede em sua lida
.

Eis que sou Pão da Vida/ Eis que sou o Pão do Céu! Faço-me vossa comida/ Eu sou mais que leite e mel.

 O meu Corpo e meu Sangue são sublimes alimentos.
Do fraco indigente é vigor, do faminto é o sustento.
Do aflito é consolo, do enfermo é a unção.
Do pequeno e excluído, rocha viva e proteção.

Eu sou o Caminho, a Vida, Água Viva e a Verdade.
Sou a paz e a luz do mundo, sou a própria liberdade.
Sou a Palavra do Pai que entre vós habitou.
Para que vós habiteis na Trindade onde estou.

Eu sou a Palavra Viva que sai da boca de Deus.
Sou a lâmpada para guiar vossos passos irmãos meus. Sou o rio, eu sou a ponte, sou a brisa que afaga. Sou a água, sou a fonte, fogo que não se apaga.

119.   CONVERTEI-VOS SENHOR DEUS DO MUNDO INTEIRO (M. Advento)

Convertei-nos Senhor Deus do mundo inteiro,
sobre nós e vossa face iluminai!
Se voltardes para nós seremos salvos,
vós que sobre os anjos todos assentais.

Arrancastes do Egito esta videira
e expulsastes muita gente pra plantá-la;
diante dela preparastes terra boa,

vinde logo, Senhor, vinde depressa pra salvá-la!

Sua raízes se espalharam pela terra
e os ramos recobriram o sertão.
Levantai-vos, vinde logo em nosso auxílio, libertai-nos pela vossa compaixão!

Seus rebentos atingiram as montanhas,
verdes mares, longos rios e palmeiras.
Vinde logo, Senhor Deus do universo,
visitai a Vossa vinha e protegei-a!

Vossa mão foi quem plantou esta videira,
vinde cuidar deste rebento que firmastes!
E aqueles que a cortarem ou queimares,
vão sofrer ante o furor de Vossa face.

Até quando ficaremos esperando?
Escutai a oração do vosso povo!
Vinde livrar-nos e banir da nossa história
de bebermos pranto amargo e copioso!

Estendei a Vossa mão ao “protegido”,
que escolhestes para vós, o “Filho do Homem”!
E jamais vos deixaremos, Senhor Santo,
dai-nos vida e louvaremos Vosso Nome!

120.  CRISTO, NOSSA PÁSCOA (M. Ressurreição)

Cristo, nossa páscoa, foi imolado, Aleluia!
Glória a Cristo, Rei, ressuscitado, Aleluia!

Páscoa sagrada! Ó festa de luz!
Precisas despertar: Cristo vai te iluminar!

Páscoa sagrada! Ó festa universal!
No mundo renovado é Jesus glorificado!

Páscoa sagrada! Vitória sem igual!
A cruz foi exaltada, foi a morte derrotada!

Páscoa sagrada! Ó noite batismal!
De tuas águas puras nascem novas criaturas!

Páscoa sagrada! Banquete do Senhor!
Feliz a quem é dado ser às núpcias convidado!

Páscoa sagrada! Cantemos ao Senhor!
Vivamos a alegria, conquistada em meio à dor!

121.   CANTAR A BELEZA DA VIDA

Cantar a beleza da vida, presente do amor sem igual:
Missão do Teu  povo escolhido! Senhor, vem livrar-nos do mal!

Vem dar-nos Teu Filho, Senhor, sustento no pão e no vinho, e a força do Espírito Santo. Unindo Teu povo a caminho!

Falar do Teu filho às nações, vivendo como Ele viveu: Missão do Teu povo escolhido, Senhor, vem cuidar do que é Teu!

Viver o perdão sem medida, servir sem jamais condenar: Missão do Teu  povo escolhido, Senhor, vem conosco ficar!

Erguer os que estão humilhados,  doar-se aos pequenos, aos pobres: Missão do Teu   povo escolhido, Senhor, nossas forças redobre!

Buscar a verdade, a justiça, nas trevas brilhar como a luz: Missão do Teu   povo escolhido, Senhor nossos passos conduz!

Andar os caminhos do mundo, plantando Teu Reino de paz: Missão do Teu  povo escolhido, Senhor, nossos passos refaz!

Fazer deste mundo um só povo, fraterno, a serviço da vida: Missão do Teu povo escolhido,  Senhor, vem nutrir nossa lida!

122.   PROVA DE AMOR

Prova de amor maior não há,
que doar a vida pelo irmão.

Eis que Eu vos dou o Meu novo mandamento: “Amai-vos uns aos outros, como Eu vos tenho amado!”

Vós sereis os meus amigos, se seguirdes Meu preceito: “Amai-vos uns aos outros, como Eu vos tenho amado!”

Como o Pai sempre Me ama, assim também, Eu vos amei: “Amai-vos uns aos outros, como Eu vos tenho amado!”

Permanecei em Meu amor e segui Meu mandamento: “Amai-vos uns aos outros, como Eu vos tenho amado!”

E chegando a Minha páscoa, vos amei até o fim: “Amai-vos uns aos outros, como Eu vos tenho amado!”

Nisto todos saberão, que vós sois os Meus discípulos: “Amai-vos uns aos outros, como Eu vos tenho amado!”

123.   Ó TRINDADE VOS LOUVAMOS

Ó Trindade, vos louvamos, 
vos louvamos pela vossa comunhão.
Que esta mesa favoreça, 
favoreça nossa comunicação!

Contra toda tentação da ganância e do poder,
Nossas bocas gritam juntas: a palavra do viver! (bis)

Na montanha, com Jesus, no encontro com o Pai,
receberemos a mensagem: ide ao mundo e o transformai! (bis)

Deus nos fala na história e nos chama à conversão.
Vamos ser palavras vivas: proclamando a salvação! (bis)

Vamos juntos festejar cada volta de um irmão
E o amor que nos acolhe: restaurando a comunhão!

Comunica quem transmite a verdade e a paz,
Quem semeia a esperança: e o perdão que nos refaz! (bis)

124.   PROCURO ABRIGO NOS CORAÇÕES 
(M. coração de Jesus)

Procuro abrigo nos corações
de porta em porta desejo entrar.
Se alguém me acolhe com gratidão, 
faremos juntos a refeição. (bis)

Eu nasci pra caminhar assim,
dia e noite; vou até o fim.
O meu rosto o forte sol queimou,
meu cabelo o orvalho já molhou:
Eu cumpro a ordem do meu coração.

Vou batendo até alguém abrir.
Não descanso, o amor me faz seguir
é feliz quem ouve a Minha voz,
e abre a porta, entro bem veloz:
Eu cumpro a ordem do meu coração.

Junto à mesa Vou sentar depois
e faremos refeição, nós dois.
Sentirá seu coração arder 
e esta chama tenho de acender;
Eu cumpro a ordem do meu coração.

Aqui dentro, o amor nos entretém;
e, lá fora, o dia eterno vem.
Finalmente nós seremos um,
e teremos tudo em comum!
Eu cumpro a ordem do meu coração.

125.   VOU CANTAR SEU AMOR

Vou cantar Teu amor, ser no mundo um farol.
Eis me aqui, Senhor vem abrir as janelas do meu coração. E então, falarei, imitando Tua voz creio em Ti, Senhor, nas pegadas Deixadas por Ti vou andar.

Vou falar do Teu coração, com ternura nas mãos e na voz, Proclamar que a vida é bem mais do aquilo que o mundo ensina e cantar...
Cantar o canto ensinado por Deus com poesia ensinar nossa fé. Plantar o chão, cultivar o amor como poetas que querem sonhar.
Para realizar o que o Mestre ensinou viemos cear, restaurar coração. Fonte de vida no altar a brotar a nos alimentar.

Celebrar meu viver pra no mundo ser mais feliz.
Faz de mim, Senhor aprendiz da verdade, justiça e da paz. Comungar Teu viver neste vinho, neste pão; quero ser, Senhor, novo homem, Nascido do Teu coração.

126.   NA MESA SAGRADA

Na mesa sagrada se faz unidade,
no pão que alimenta, que é pão do Senhor.
Formamos família na fraternidade, 
não há diferença de raça ou de cor.

Importa viver, Senhor, unidos no amor; 
na participação, vivendo em comunhão!

Chegar junto à mesa é comprometer-se
é  a Deus converter-se com sinceridade.
O grito dos fracos devemos ouvir
e em Nome de Cristo, amar e servir.

Enquanto na terra, o pão for partido
o homem nutrido se transformará.
Vivendo a esperança num mundo melhor: 
Com Cristo lutando, o amor vencerá.

127.   ANTES DA MORTE

Antes da morte e ressurreição de Jesus,
Ele, na ceia, quis se entregar:
deu-se em comida e bebida pra nos salvar.

E quando amanhecer
o dia eterno, a plena visão,
ressurgiremos por crer 
nesta vida escondida no pão! (bis)

Para lembrarmos a morte,
a cruz do Senhor nós repetimos, como Ele fez:
gestos, palavras, até que volte outra vez.

Este banquete alimenta o amor dos irmãos
e nos prepara a glória do céu.
Ele é a força na caminhada pra Deus!

Eis o pão vivo mandado a nós por Deus Pai!
Quem o recebe, não morrerá;
no último dia vai ressurgir, viverá.

Cristo está vivo, ressuscitou para nós!
Esta verdade via anunciar 
a toda terra, com alegria, a cantar.

128.   EU QUIS COMER ESTA CEIA AGORA

Eu quis comer esta ceia, agora,
pois vou morrer, já chegou minha hora!

Comei, tomai: é meu corpo e meu sangue que dou. Vivei no amor, eu vou preparar a ceia na casa do Pai! (bis)

Comei o pão; é meu corpo imolado
por vós, perdão para todo pecado!

E vai nascer do meu sangue a esperança,
o amor, a paz, uma nova aliança!

Eu vou partir; deixo o Meu testamento:
vivei no amor, eis o Meu mandamento!

Irei ao Pai: sinto a vossa tristeza;
porém, no céu vos preparo outra mesa.

De Deus virá o Espírito Santo
que Vou mandar pra enxugar vosso pranto!

129.   MESA PRONTA

Mesa pronta, toalha limpa, flores, luzes e canções.
Nos olhares um sorriso, muita paz nos corações.
É a ceia partilhada nesta casa de irmãos,
Páscoa sempre renovada, recriando a comunhão.

És, Senhor, o Deus da vida, és a festa, és a dança. No banquete de tua casa somos povo da aliança.(bis)

Somos povo em travessia, no deserto a caminhar,
Revestidos de esperança, contra o mal vamos lutar.
Na montanha contemplamos na sua glória e esplendor, Jesus Cristo – nosso Guia, companheiro sofredor.

Procurando uma fonte, já cansados de andar,
Assentado junto ao poço, aqui vimos te encontrar.
Água viva, te pedimos, faz brotar no coração.
Renascidos e libertos, partiremos em missão.

Tua casa é abrigo deste povo sofredor
Ao partir o pão, se abrem nossos olhos, ó Senhor!
Apressemos, pois, o dia em que os pobres acharão
Alimento e moradia, a saúde, a educação.

Quem partilha esta ceia, solidário  vai firmar
O direito de ser gente, de ter casa onde morar.
Não nos deixe indiferentes a injustiça, a exploração.
É Jesus quem defendemos no mais pobre, nosso irmão.

130.   MAS É PRECISO QUE O FRUTO SE PARTA

O nosso Deus, com amor sem medida,
chamou-nos à vida, nos deu muitos dons.
Nossa resposta ao amor que será feita
se a  nossa colheita mostrar frutos bons.

Mas é preciso que o fruto se parta
e se reparta na  mesa do amor! (bis)

Participar é criar comunhão,
fermento no pão, saber repartir.
Comprometer-se  com  a vida do irmão, 
viver a missão de se dar e servir.

Os grãos de trigo em  farinha se tornam,
depois se transformam em vida no pão.
Assim, também, quando participamos,
unidos, criamos maior comunhão.

131.   CORPO QUE ERA D’ELE

O corpo que era Dele, eu comerei agora;
o sangue que era Dele meu será;
A vida que era Dele, eu viverei agora;
o sonho que era Dele meu será!

A farinha molhada na água é o pão;
a farinha molhada na fé é Jesus.
Eis o sonho que o mundo não quis entender:
Quem não comer, não viverá!

Muita uva amassada no pé é o vinho;
muita uva amassada na fé é Jesus.
Eis o sonho que o mundo não quis entender:
Quem não beber, não viverá!

cantos de entrada cantos de evangelho cantos de ação de graça
cantos de entrada cantos de ofertório cantos de Maria
cantos penitenciais cantos de santo cantos da paz
cantos de glória cantos de comunhão cantos vários
cantos de meditação cantos de comunhão